Da Sinceridade

Acho engraçado essas pessoas com ar superior, que enchem a boca para dizer “eu sou sincero e sempre digo o que penso”, como se isso fosse a maior das virtudes…
(Nem tenho certeza mesmo se chega a ser  uma virtude!)

É claro que lidar com alguém transparente e honesto é muito melhor. O problema da frase anterior é o “sempre”, pois nem sempre estamos interessados ou preparados para o que o outro pensa. E acho mesmo que muitas das opiniões “sinceras” deveriam ficar guardadas com cada um. Ainda mais quando não são solicitadas.

Não acho a sinceridade a maior das virtudes, o que não quer dizer que não a considere fundamental. Acho, apenas, antes dela, o respeito e o cuidado com o outro, muito mais importantes. Até porquê, nossa verdade não necessariamente é a única verdade.

Saber olhar para o outro e entender a sua real necessidade, que pode ser ouvir, ou apenas falar, desabafar, receber um abraço, um afago, ou até mesmo uma palavra amiga, que aplaque a dor momentânea, isso sim, ao meu ver, é uma das maiores (e mais difíceis) virtudes.

Caminhos

A falsidade é uma das caracterísiticas mais tristes e deprimentes do ser humano..
A ingenuidade, uma das mais perigosas…
Quando se encontram pelo mundo, os dois, o falso e o ingênuo, é sempre o segundo,  quem leva a pior…
Pelo menos em tese.
Mas será mesmo…?
Levaria essa escolha, a de acreditar sempre, a um abismo maior do que a outra, a de enganar sempre?
Já vi muita gente cair e se machucar feio, por ser do primeiro tipo. Mas justamente por serem assim, nunca estão sozinhos… Há sempre um ombro amigo, um afago, um olhar carinhoso, um braço amigo ajudando a levantar.
Já os falsos, que enganam, mentem, traem ou trapaceam, esses um dia, em algum momento, também caem. E, mais do que o dano da queda, acabam amargando a dor pior da solidão.