O Teu Olhar

Os teus olhos, que quando olham me desnudam,
São deles meus maiores sonhos,
E meus mais puros segredos.
Deles são os meus enganos,
Meus temores, os meus medos,
Os meus momentos santos,
Os meus tormentos tantos,
Os meus mais loucos desejos.

Teu olhar que eu não esqueço,
Ainda nele canto e danço,
E Invento passos  a esmo…
E mesmo quando, esvaído em sonhos,
Ou em prantos, canso,  é nele que me aqueço…

O teu olhar que eu nem mereço
Tem sido o meu descanso,
O meu prumo, meu rumo,
Meu reencontro e recomeço.

É por isso, e muito mais, que te peço,
Se é que me tens apreço,
Por mim, por ti, por outros muitos,
E tantos que eu nem conheço,
Te peço:

– Não te apagues nunca dele…

Um Sorriso como uma Flor

(À menina desconhecida, que um dia eu vi sorrir, na rua)

Um sorriso como uma flor
Sorriso de poesia
De música
Um sorriso belo
Como nenhuma pintura poderia ser
Como nenhum poema
Ou qualquer forma que o homem possa inventar.
Um sorriso único,
Num instante único,
Mas com estranho sabor de eternidade…
Sorriso de verdade,
Não desses que a gente dá,
Por desejo ou graça,
Mas que escapa
Em meio ao caos da cidade,
Alheio à nossa vontade,
E vai encher de luz os olhos
De quem, por sorte,
Passa…