Desesperança

Hoje eu sou o poeta da morte
Sem prumo, sem norte, sem rumo,
sem fumo, sem sorte.
A Alma manchada de sangue,
0 corpo rasgado de cortes.
De dia, um rascunho de nada,
de noite, uma sombra no escuro.
Vou aos trancos,
procurando algum barranco.
Aos prantos, me esquivando do futuro
pelos cantos, flancos, becos, muros,
mendigando afeto,
enquanto duro…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s